Acorda Portugal

Como, declaração de interesses, dizer que não faço parte de qualquer tipo de organização, formal ou não formal, ou outra. Sou uma simples pessoa, que vê que algo vai mal, nada de novo,  mas que agora, ultrapassa todas as marcas, às claras. 
Recordo que faço isto, para mudar o meu mundo, e não mudar o mundo de ninguém. Não tenho estomago, para não partilhar, o que sinto, vejo e sei, com as pessoas com que me relaciono. É um tema chocante, não é o único, ao contrário, há muitos, verdade, mas ultrapassa tudo e até agora não me recordo de ouvir falar em algo semelhante. Esta é a forma que tenho para contar, estas práticas conspirativas, de uma forma crua e dura, não tenho sapiência para mais, tenho sim, consciência, da gravidade, do que afirmo. Este não é a única situação absurda da actualidade, mas se começarmos por esta, desmontamos muitas outras.
Uma espécie de eugenia
No fim do Verão de 2020, conclui que, de facto, existe tratamento precoce, para o covid. Tenho testemunhos, e mais dados, de muita gente, essencialmente médicos e cientistas de topo, de todos o mundo, que têm pedido por tudo para protocolar o tratamento precoce, assim que há sintomas. E claro praticam-no. Existem várias possibilidades de tratamento precoce, que resultam, de uma forma muito, mas muito eficaz.
A questão, em Portugal, apesar de isto ser tão global, é, para mim, neste caso,  e poderá ser para muitos mais:
1º  Porque é que este tema, tratamento precoce, é um tema tabu ?, e não explorado de nenhuma forma ? Foi, inclusive, proibido, por poder ser perigoso. É melhor então, fazer, vários tipos de vacinas, com novas "tecnologias" sem seguir os protocolos habituais, para aprovação de vacinas, em que as farmacêuticas e o governo, não se responsabilizam por nenhuma consequência adversa e, tu, se não te vacinas é que és irresponsável ? E que ainda por cima já te dizem e avisam, que, mesmo com vacina, tem de se manter tudo mais ou menos igual.
2º Sabendo tão bem, desde o inicio, as altas autoridades, quem são os mais vulneráveis, idosos e pessoas doentes, e que sabem também, tão bem, onde estão a grande maioria, porque não utilizaram as medidas policiais, que utilizam agora, para os defender ao máximo ? 
A falta de humanismo,  do discurso e prática politica e de todas as outras dezenas de autoridades e sumidades, que temos, tira-me do sério e recorda tantas situações similares no passado, recente e não recente da história do Homem.
A proposta aqui é alertar para que todos estejam atentos e façam a sua parte em nome dos princípios  Humanistas. 
Agradecer, a compreensão, pelo último, email da semana, essencialmente, traduzido pelas encomendas novas e renovações e algumas conversas, vamos ver agora, mas tinha de o fazer, sem medos e com firmeza.
Apenas deixo uma fonte, em baixo, não diretamente ligado a este tema, mas por onde se pode começar. Há muitas fontes,  e todos nós temos o direito, e o dever, pela gravidade de tantas situações, de as procurar. No entanto, estou, evidentemente, à disposição para conversar e justificar o escrito. 
https://observador.pt/opiniao/covid-19-de-como-a-frieza-dos-numeros-atraicoa-a-narrativa-oficial/?fbclid=IwAR2evo9NFskwIx8JE6fdVQHDN-0Pq5JsOK3ZevWdan7BhbwYwfq6n35Q4m0

Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos